PambazukaAtravés das vozes dos povos da África e do Sul global, Pambazuka Press e Pambazuka News disseminam análises e debates sobre a luta por liberdade e justiça.

Assine

Assinar gratuitamente!



Doações

Monitor da União Africana

Este site foi criado por Fahamu para fornecer um feedback freqüente às organizações da sociedade civil africana sobre o que está acontecendo na União Africana.

Taxas para vagas de publicidade no Pambazuka News

As taxas mostradas abaixo são para um anúncio de quatro semanas no ar

Banda A - Entidades de caridade, ONGS e Organizações sem-fins lucrativos com um movimento de caixa menor de $200,000: $50.00
Banda B - Entidades de caridade, ONGS e Organizações sem-fins lucrativos com um caixa entre $200,000 - $1,000,000: $150.00
Banda C - Entidades de caridade, ONGS e Organizações sem-fins lucrativos com um caixa maior que $1,000,000: $350.00
Banda D - Empresas do governo ou do setor privado: $500.00

Para postar um anúncio, mande um e-mail para: info [at] fahamu [dot] org.

Estamos dispostos dispensar das taxas as organizações sem-fins lucrativos da África com um orçamento limitado.

Pambazuka Press

Food Rebellions! Food Rebellions! Crisis and the hunger for justice Eric Holt-Giménez & Raj Patel.

Food Rebellions! takes a deep look at the world food crisis and its impact on the global South and under-served communities in the industrial North. While most governments and multilateral organisations offer short-term solutions based on proximate causes, authors Eric Holt-Giménez and Raj Patel unpack the planet's environmentally and economically vulnerable food systems to reveal the root causes of the crisis.

Visit Pambazuka Press

Faça Doação Para Ajudar Ao Pambazuka Continuar!

Ajude-nos a garantir que os assinntes do Pambazuka News o receba gratuitamente: cada $5.00 ajuda a garantir a assinatura por um ano. Por isso, doe generosamente para que o melhor newsletter africano para justiça social chegue onde ele é necessário.

del.icio.us

Visite Pambazuka News@del.icio.us. Nossa página no site Del.icio.us social bookmarking.

Creative Commons License
© A menos que indicado, todo material está licenciado sob o título Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Unported.

Artigos Principais

Esclarecendo as coisas

João Melo

2012-03-29, Edição 42

http://pambazuka.org/pt/category/features/81216

Bookmark and Share

Versão para imprimir


cc O T E
O meu artigo da semana passada irritou alguns oponentes radicais e sectários do actual governo angolano. Outros “opinion makers” locais, que realizam o mesmo esforço de equilíbrio que tenho procurado manter em relação à situação global do nosso país – o que, como disse no texto anterior, não é fácil em tempos de crispação política -, foram alvo da mesma reacção, a qual, em muitos casos, atingiu a fúria, a grosseria e a indigência argumentativa. Um ou outro desses adversários do governo tentou reagir com ironia, como os que alegaram que a constituição angolana não prevê “contramanifestações”.

"Antes de quaisquer outras considerações, portanto, e “só para dar mais raiva”, formulo a inevitável pergunta: que democratas são esses?".
O meu artigo da semana passada irritou alguns oponentes radicais e sectários do actual governo angolano. Outros “opinion makers” locais, que realizam o mesmo esforço de equilíbrio que tenho procurado manter em relação à situação global do nosso país – o que, como disse no texto anterior, não é fácil em tempos de crispação política -, foram alvo da mesma reacção, a qual, em muitos casos, atingiu a fúria, a grosseria e a indigência argumentativa.

Um ou outro desses adversários do governo tentou reagir com ironia, como os que alegaram que a constituição angolana não prevê “contramanifestações”.

O argumento é risível, pois é óbvio que a expressão se refere à possibilidade de realizar manifestações deliberadamente contra outras manifestações. Em todo o lado há exemplos desses, por que razão teria de ser diferente em Angola?

Entretanto, neste caso, valeu pelo menos a tentativa de recurso ao humor – atitude e “ferramenta” que muito prezo -, embora mal sucedida. Antes de quaisquer outras considerações, portanto, e “só para dar mais raiva”, formulo a inevitável pergunta: que democratas são esses?

Parte da irritação a que me refiro deve-se à ignorância pura e simples. Mesmo levando em conta que as palavras são simbólicas (logo, passíveis de várias leituras), algumas pessoas, lamentavelmente, não sabem sequer interpretar um texto, quanto mais tentar captar a estratégia de comunicação (e política, no sentido amplo) por detrás daquilo que lêem. Mas vou arriscar: a maioria desses oponentes radicais e sectários do actual governo acaba por ter a mesma postura que critica, às vezes com razão, mas nem sempre, no partido no poder. Tenho de insistir, por isso, numa tese que há muito defendo: em Angola, o défice de cultura democrática é um problema transversal e não estritamente partidário.

Para que conste, pois, vou esclarecer duas coisas.

Primeiro: defendo, sem quaisquer ambiguidades, o direito dos cidadãos à manifestação, como está consagrado na constituição angolana. Os temas de qualquer manifestação também não podem ser limitados, isto é, os cidadãos têm o direito de manifestar-se sobre tudo aquilo que entenderem. Por outro lado, as manifestações devem ser realizadas de maneira pacífica. Os agentes do Estado não devem reprimir as manifestações pacíficas e ordeiras. Se, eventualmente, as manifestações fizerem parte de alguma estratégia “conspirativa” e “criminosa”, nos termos da lei, os seus responsáveis devem ser detidos e julgados e não espancados. O único caso em que a repressão policial se justifica é quando e se os manifestantes também recorrerem à violência, depredando bens públicos ou privados ou atacando os agentes da ordem. Por fim, se houver confrontos entre manifestantes pró e contra, a polícia deve intervir, para repor a ordem e a tranquilidade.

Segundo: embora defenda o direito geral à manifestação, qualquer que seja o tema ou as “bandeiras” defendidas pelos manifestantes, discordo em absoluto, no caso das actuais manifestações antigovernamentais realizadas em Angola, de reivindicações inúteis e, em certos casos, golpistas, como a exigência da saída do presidente José Eduardo dos Santos sem eleições. Não partilho, igualmente, da violência verbal e física, assim como da boçalidade dos argumentos e dos gestos, que alguns “jornais” (as aspas são intencionais) locais, na sua conhecida estratégia de criar “excitação” social e política, não hesitam em estampar nas suas páginas.

Dito isto, não escondo que me senti pessoalmente reconfortado com as conclusões da última reunião da Conferência Eclesiástica de Angola e São Tomé (CEAST) sobre o assunto. Como foi noticiado, a CEAST manifestou expressamente “alguma apreensão quanto à forma violenta como são realizadas e reprimidas algumas manifestações de alguns grupos de cidadãos, nas cidades de Luanda e Benguela, apelando ao respeito da dignidade alheia, à calma e ao diálogo pacífico”.

Não tenho dúvidas de que essa posição corresponde ao sentimento da grande maioria da população. Ou seja, os cidadãos não aplaudem os excessos repressivos com que alguns agentes do Estado, minoritários e desprovidos de uma autêntica estratégia política, gostariam de lidar com o fenómeno das manifestações, mas também não estão dispostos a embarcar em radicalismos insensatos e vazios de conteúdo, cujas consequências são facilmente previsíveis, para quem possui a consciência política madura e refinada dos angolanos, fruto da sua experiência histórica.
Está claro?

* João Melo é jornalista e escritor angolano, ele assina a coluna semanal Palavras à Solta da revista África 21, onde este texto foi originalmente publicado.

**Por favor envie comentários para editor-pt@pambazuka.org ou comente on-line em http://www.pambazuka.org

↑ Voltar ao Topo

ISSN 1753-6839 Pambazuka News English Edition http://www.pambazuka.org/en/

ISSN 1753-6847 Pambazuka News en Français http://www.pambazuka.org/fr/

ISSN 1757-6504 Pambazuka News em Português http://www.pambazuka.org/pt/

© 2009 Fahamu - http://www.fahamu.org/